Início » Livros » Resenhas:: O Lado Feio do Amor

Resenhas:: O Lado Feio do Amor

Título: O Lado Feio do Amor (Ugly Love)

Autor: Colleen Hoover

Editora: Galera

Páginas: 336

Onde costumo comprar (Opções de livro impresso): Saraiva

Sinopse: Quando Tate Collins se muda para o apartamento de seu irmão, Corbin, a fim de se dedicar ao mestrado em enfermagem, não imaginava conhecer o lado feio do amor. Um relacionamento onde companheirismo e cumplicidade não são prioridades. E o sexo parece ser o único objetivo. Mas Miles Archer, piloto de avião, vizinho e melhor amigo de Corbin, sabe ser persuasivo… apesar da armadura emocional que usa para esconder um passado de dor.

O que Miles e Tate sentem não é amor à primeira vista, mas uma atração incontrolável. Em pouco tempo não conseguem mais resistir e se entregam ao desejo. O rapaz impõe duas regras: sem perguntas sobre o passado e sem esperanças para o futuro. Será um relacionamento casual. Eles têm a sintonia perfeita. Tate prometeu não se apaixonar. Mas vai descobrir que nenhuma regra é capaz de controlar o amor e o desejo.

Muito havia ouvido falar deste livro, mas não estava animada para lê-lo em inglês ou procurar uma tradução não oficial – até porque não sou a maior fã de livros digitais. Como gostei bastante de outro livro da autora, Um Caso Perdido (tem resenha dele aqui), não hesitei em comprá-lo assim que o vi na prateleira da livraria. Tomada pela curiosidade acerca da história, pausei a leitura do último livro do Diário da Princesa (aos vinte um anos, ainda sou fã da Meg Cabot e tive que ler o 11º livro da série para honrar a minha infância/adolescência), e simplesmente devorei-o. Ainda que esteja na última fase da faculdade e sem tempo algum, terminei de lê-lo em dois dias (o que é bastante rápido para a minha vida atual, considerando o tempo que gasto com faculdade e estágio). Não direi que é um livro extraordinário, pois não é. A história não possui nada de excepcional, e achei a parte trágica um tanto forçada. A leitura porém é bastante agradável e quase impossível de ser interrompida.

No dia em que chega ao apartamento do irmão, Tate Collins conhece Miles Archer. A apresentação não é a mais convencional, e Tate acaba sendo confundida por Rachel, alguma mulher a quem Miles, aparentemente, fez algo muito ruim. O que ele fez exatamente não importa quando Tate começa a se sentir atraída por aqueles lindos olhos azuis. Ela não quer gostar dele e nem precisa; é apenas uma atração física. E quando Miles decide ignorar os anos em que não tem contato com uma mulher e beijar Tate, esta simplesmente se entrega à relação, mesmo com as duas condições impostas por ele: nada de perguntas sobre o passado e nada de pensar em um futuro.

Aos 18 anos, Miles conheceu Rachel e se apaixonou loucamente por ela, bem como ela por ele. Talvez, contudo, eles não estivessem destinados a ficar juntos. Não bastasse a oposição dos pais deles, um acidente fez questão de marcar e mudar suas vidas para sempre. Foi neste momento que Miles prometeu a si que jamais iria viver o amor novamente, pois vivenciar o seu lado bonito significava, também, se expor ao seu lado feio. Agora, embora não consiga ficar longe de Tate, ele sabe que a está machucando e que, por mais que deseje, não conseguirá dar mais de si a ela. Tate, porém, mantém a esperança de que algo irá mudar, mesmo com todos os ferimentos que Miles carrega e que causa a ela. Tate percebe, ao longo desta jornada, que está irremediavelmente apaixonada e que, mesmo que Miles a machuque, não consegue não pensar em um futuro.

” – O amor nem sempre é bonito, Tate. Às vezes, você passa o tempo inteiro desejando que um dia ele mude. Que melhore. E aí, antes que perceba, você já voltou para a estaca zero e perdeu o seu coração em um lugar do caminho.”

O livro é intercalado entre cenas atuais, narradas por Tate, e cenas do passado de Miles. Sobre estas cenas, achei criativo o modo como foram contadas. Elas se iniciam como qualquer narrativa, até que Miles conhece Rachel, tornando sua vida em um poema. A narração segue em formato de poema até que o lado bonito do amor desaparece, demonstrando a intensidade dos sentimentos de Miles. Esta narrativa paralela me dividiu, pois não sabia de qual romance gostava mais, embora soubesse que, para o atual romance acontecer, o antigo, com certeza, iria acabar de um modo trágico.

De um modo geral, os personagens são bem escritos. Não vemos aqui uma infantilização dos personagens, o que, por vezes, ocorre em romances com personagens por volta dos vinte anos. Tate tem 23 anos, tem sua vida profissional e acadêmica, encontrando um espaço para Miles em seus intervalos. Ela é consciente do que faz e até, bastante madura. Ela está diante de um relacionamento que poderia ser considerado abusivo, não fosse a proposta inicial de que não haveria envolvimento emocional. Collins, por sua vez, não é um homem controlador que manipula Tate, fazendo com que esta, ingenuamente se apaixone. Assim, as cenas do romance são envolventes, sem apelarem para um romantismo extremamente machista e irreal

O final, embora seja o esperado, traz um surpresa. Revelado o que fez Miles desistir do amor, ele percebe que a única forma de superar a sua dor é encontrar alguém que compartilhe a mesma história feia que ele, enfrentando, assim, toda a culpa que carrega. Miles sabe que a dor nunca poderá ser apagada, mas talvez o lado bonito do amor ainda possa se sobressair ao lado feio.

“[…] – Você acha que roubou a chance que aquela garota tinha de ser feliz, e até confrontar esse passado, nunca vai seguir em frente. Vai ficar revivendo aquela noite por todo santo dia, até o dia em que morrer, a não ser que vá ver com seus próprios olhos que ela está bem. Talvez, assim, consiga perceber que não é nada de errado em você, também, ser feliz.

[…] – Sei que a ideia de confrontar o passado o deixa apavorado. É algo que apavora todo homem. Mas, às vezes, não é algo que fazemos por nós mesmo. É algo que fazemos pelas pessoas que amamos mais do que a nós mesmos.

Recomendo a leitura à quem deseje um romance agradável e atraente e com uma reflexão leve e bonita. Verifiquei alguns erros de edição, mas nada que atrapalhasse a leitura, a qual, como já foi dito, é bastante rápida. Espero que gostem.

A diferença entre o lado bonito e o lado feio do amor é que o lado bonito é bem mais leve. A pessoa se sente como se estivesse flutuando. ele ergue a pessoa. Carrega-a consigo. […]

As partes feias do amor são pesadas demais para se mudarem de volta para Phoenix. As partes feias doa mor não são capazes de erguer uma pessoa.

Elas puxam você para baixo.

Elas prendem você lá embaixo

Afogam você […]

Então você abre mão dele. Abre mão de tudo. Nunca mais quer amar novamente, não importa o tipo de amor, porque não vale a pena sentir o amor feio de novo por nenhum tipo de amor.

Um projeto de filme estava sendo desenvolvido, mas ainda há poucas informações a respeito. O personagem Miles Archer seria interpretado pelo canadense Nick Bateman.


Colleen Hoover Vive no Texas Autor com o marido e os três filhos. Autora das séries Slammed – composta dos livros “Métrica”, “Pausa” e “Essa Garota” – e Hopeless – composta dos livros “Um Caso Perdido” e “Sem Esperança” – , ambas na lista de mais vendidos do New York Times.
Anúncios

3 pensamentos sobre “Resenhas:: O Lado Feio do Amor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s