Início » Livros » Resenhas :: Sorte ou Azar?

Resenhas :: Sorte ou Azar?

Meg Cabot é uma das escritoras mais famosas quando se trata de livros YA (jovens adultos) e é claro que por esse motivo eu estava curiosa para conhecer algumas de suas obras. Meu objetivo original foi iniciar pelo primeiro livro de O Diário da Princesa, acredito que esse seja o título mais conhecido da autora por causa popularidade dos filmes, porém acabei me deparando com Sorte ou Azar?. Não sabendo ainda se por sorte ou azar eu acabei me deparando com a escrita de Meg Cabot de uma maneira que minhas emoções se misturam entre admiração e decepção.

   Título: Sorte ou Azar?

   Autor: Meg Cabot

   Editora: Galera Record

   Páginas: 288

   Onde costumo comprar (Opções de livro impresso): Submarino/Amazon

 

Sinopse: A falta de sorte parece perseguir Jinx onde quer que ela vá – por isso ela está tão animada com a mudança para a casa dos tios, em Nova York. Talvez, do outro lado do país, Jinx consiga se livrar da má sorte. Ou, pelo menos, escapar da confusão que provocou em sua pequena cidade natal. Mas logo ela percebe que não é apenas da má sorte que está fugindo. É de algo muito mais sinistro…

 

A vida de Jean Honeychurch sempre foi marcada por ser azarada, assim que nasceu um raio atingiu o hospital fazendo com que todos os pacientes tivessem que ser transferidos de helicóptero, por esse motivo recebeu do seu médico o apelido “carinhoso” de Jinx (má sorte) e a falta de sorte a acompanharia por todos os anos seguintes. A narrativa se inicia com a Jean se mudando para Nova York após um estranho acidente ter acontecido em sua cidade natal, algo que só é revelado para o leitor nos momentos finais do livro. A principio ela acredita que a nova cidade será sua chance para recomeçar,  o novo ambiente lhe daria a oportunidade de fazer as escolhas certas dessa vez e talvez um pouco mais de sorte. Entretanto, a sua falta de sorte parece ter uma explicação misteriosa e não é por acaso que ela existe, algo que Jean não sabe ainda, mas está no caminho certo para descobrir.

O negócio é que minha sorte sempre foi um horror. Olha só o meu nome: Jean. Não Jean Marrie, nem Jeanine, Jeanette ou mesmo Jeanne. Só Jean. Sabe que na França os garotos são chamados de Jean? É João em francês. Tudo bem, não moro na França. Mas mesmo assim. Sou basicamente uma garota que se chama João. Pelo menos seria, se eu morasse na França.

Jean me cativou nas duas primeiras páginas, porém me frustrou nas mais de 200 paginas seguintes. Ela é a típica protagonista que ganha os leitores por ser insegura e desajeitada, que reclama da vida e da sua aparência quase o livro inteiro – essa descrição não parece com outras protagonistas femininas que já conhecemos?! Exatamente essas! Entretanto, diferente das inúmeras protagonistas inseguras que já conhecemos, Jean tem um motivo misterioso para a sua falta de sorte e posso dizer que Meg Cabot desenvolveu essa parte da narrativa muito bem, a autora deixa claro toda a origem desse fenômeno de uma maneira que realmente convence e não deixa nenhum espaço para a dúvida. Dessa parte em particular eu me senti satisfeita pela narrativa de Meg Cabot, ela conseguiu trazer todos os elementos sem nenhum tipo de furo na estória, me fez perceber e admirar a habilidade dela como autora quanto a construção estrutural da narrativa.

Ele riu para mim. Como eu, Zach vestia camiseta branca. Mas ao contrário de mim, seu short azulão não parecia curto demais. Parecia perfeito. Mais do que perfeito. Parecia fantástico.

 

Zach  é o garoto legal que ajuda a Jean a se adaptar a nova cidade e se torna melhor amigo dela, além de par romântico da protagonista ele não é um personagem bem desenvolvido pela autora. Como toda a estória é contada pela visão da Jean, o leitor fica limitado pelos  pensamentos, emoções e pontos de vistas dela. Portanto Zach é descrito como o deus grego, homem perfeito em todos os sentidos, isso faz com que não seja possível conhecê-lo sem a influencia das impressões tidas pela protagonista. Foi uma das minhas grandes frustrações com esse livro, já não tenho mais tanta paciência para personagens masculinos que são imaculados pela visão fraca de uma personagem feminina.

Tory realmente tinha feito um excelente trabalho manipulando a situação ao seu gosto. Eu esperava,depois disso que ela conseguisse o que ela queria.

 

Na minha opinião Tory foi a personagem mais interessante desse livro, desde o inicio eu tive a certeza de que ela seria o maior problema da protagonista e estava certa. Ela é a prima de Jean e acredita ser superior a tudo, esse excesso de confiança foi algo que ao mesmo tempo que me conquistou me fez gostar dela mais do que da protagonista. Tory é má, egocêntrica e perigosa, porém ela também é fantasiosa e ingenua. Por toda a profundidade na construção dessa personagem eu me encontrei satisfeita em muitos momentos com os acontecimentos relevantes motivados por ela durante o livro.

 

Sorte ou Azar? é um livro comum e sem grandes reviravoltas ou surpresas. Confesso que fiquei um pouco decepcionada, afinal eu coloquei muitas expectativas por todas as vezes em que ouvir falar dos livros de Meg Cabot – percebi que a autora se firma em uma zona de conforto, usando de clichês já muito batidos, sem se esforçar em construir qualquer elemento novo que cause algum risco. Entretanto, devo admitir que forma com que ela escreve é de fato muito habilidosa e demostra bastante taleto literário, principalmente quanto a construção de estórias que facilmente podem se conectar com o público que foi destinado, ou seja público jovem.

 

Meg Cabot Meggin Patricia Cabot, mais conhecida pela abreviação Meg Cabot JamieMcGuire ou Patricia Cabot ou pelo seu pseudônimo Jenny Carroll (Bloomington, 1 de fevereiro de 1967), é uma escritora estadunidense. É mundialmente famosa por ser autora de mais de 60 livros, dentre os quais seu maior bestseller é a série de dez volumes O Diário da Princesa. Atualmente Meg vive com seu marido e sua gata de um olho só chamada Henrietta em Nova Iorque. Quando jovem, Meg passava horas a fio lendo as obras completas de Jane Austen, Judy Blume e Barbara Cartland. Munida com seu diploma de graduação em Artes na Universidade de Indiana, Meg se mudou para Nova Iorque, com a intenção de seguir uma carreira de ilustradora autônoma. A ilustração, entretanto, logo cedeu lugar à verdadeira paixão de Meg – a composição literária

 

Ana
Anúncios

17 pensamentos sobre “Resenhas :: Sorte ou Azar?

  1. Oi Ana,
    É interessante como muita gente ama a Meg Cabot, mas sempre falam desse lado dela de usar muito os clichês, mas pelo que já andei lendo o que pensa é o fato de a escrita dela ser muito envolvente e leve, então compensa. Mas, como eu não me importo para clichês e quero muito conhecer a escrita da autora, tenho certeza que gostarei porque amo romances e juvenis.
    Agora, Menina, que Jean mais azarada e que sacanagem a do médico apelidar um bebê de má sorte, eu hein!!! A história toda deve ser bem divertida. Anotei a dica.

    Beijos
    Tânia Bueno
    http://www.facesdaleitura.com.br

  2. Oi Ana, tudo bem?
    Bom eu gosto da escrita da Meg, mas quando ela escreve coisas sobrenaturais… o Diário da princesa eu tenho muita vontade, mas esse não me chamou muita atenção não… o enredo me pareceu fraquinho sabe… Gostei muito da forma como abordou as suas ressalvas na resenha e a sua sinceridade…. xero!

  3. Oie, Ana.
    Ih, se você decepcionou, acho que não vou nem tentar ler. Conheço a Meg, já tentei ler Diário de Princesa e não consegui. Assistir o filme é uma coisa, agora encarar o livro é bem diferente, especialmente pra mim que não gosto muito de romances.
    Adorei sua resenha, no entanto. Gostei demais de sua sinceridade.
    Com carinho,
    Celly.

    http://melivrandoblog.blogspot.com/

  4. Oi Ana, sua linda, tudo bem
    Esse livro da autora eu não conhecia. Que pena que ficou um pouco decepcionada. Eu ainda não li nenhum livro da autora, mas quando eu fizer isso, será um romance épico que ela escreveu como Patricia Cabot, acho que vou me identificar mais. Mas só pelo fato de ele ter uma narrativa habilidosa, já me deixa satisfeita. Gostei da sinceridade na resenha.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

  5. tipo não é o melhor livro do mundo, mas dá pra ler de boas né ^^
    eu add há algum tempo na minha lista do skoob, mas nunca tive muito desejo de ler esse livro, mas acho a capa linda.
    no mais se algum dia topar com ele vou ler entre uma leitura e outra por ser algo tranquilo. tipo depois de uma ressaca literária sabe.

  6. Oi Ana, tudo bem? O primeiro livro que li da Meg foi um da série “O Diário da Princesa”, nem foi o primeiro, mas lembro que gostei. Depois de ler a série “A Mediadora” eu me apaixonei, mas a Suze ao contrário da Jean é uma personagem que não fica de mimimi, ao contrário, ela tem uma resposta para tudo e é simplesmente hilária.

    Bom, 2 páginas com certeza é muito pouco para se envolver com uma personagem, e passar as próximas 200 com ela reclamando de tudo é realmente bem cansativo mesmo. Mas achei interessante sobre a parte do azar dela, de ter uma explicação para tudo.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima

  7. Olá, tudo bem?

    Nossa, que decepção. Estava louco para ler esse livro já há algum tempo e ver que a protagonista só reclama e que volta aos padrões antigos de protagonistas femininas, afinal, hoje temos só protagonistas fortes e determinadas, me desanimou total com a obra. Mas o bom é que Meg tem outra série que eu amo, que é Mediadora, fora isso e esse livro, as demais obras não me animam.

    Abraços,
    Matheus Braga
    Vida de Leitor – http://vidadeleitor.blogspot.com.br/

  8. Oi, Ana!
    Eu li poucos da Meg Cabot quando era mais nova, e talvez por isso tenha gostado tanto. Confesso que até tenho um certo receio de reler O Diário da Princesa, que embalou minha adolescência, pra não correr o risco de perder as boas lembranças e substituí-las por críticas.
    Esse livro, especificamente, não me interessa muito, talvez pela pegada sobrenatural, essa capa remetendo a algo oculto… não é minha praia.
    Beijinhos!
    Giulia – http://www.prazermechamolivro.com

  9. Te entendo perfeitamente, no primeiro livro da Meg que li, que foi A Rainha da Fofoca, também senti um misto de admiração e decepção. Concordo que ela realmente escreve de forma habilidosa, mas minha expectativa era tanta que acabei me decepcionando. Pra mim tinha que ser no mínimo perfeito o livro, de tanto que falaram na minha cabeça… e não foi. Mas pretendo ler outros livros da autora pra ver se me apaixono pela escrita dela. Que dureza essa Jean ter te cativado nas primeiras páginas e depois ter te frustrado por mais de 200… dificilmente o livro me conquistaria por causa disso.

    Beijo!

    Ju – Entre Palcos e Livros

  10. Olá!!

    Eu sou apaixonada pela Meg! Tenho esse livro e outros 26 da autora. Concordo quando diz que ela se mantem em “uma zona de conforto” mas acho que é muito dificil se manter nessa zona sem se tornar cansativa. O que em meu ponto de vista não acontece nos livros da Cabot. Acho que não é por ser fã – até porque odiei ler Pegando Fogo – mas essa leitura leve e despretenciosa é o que mais gosto na autora.
    Lembro que li esse livro em pouco tempo. é divertido e leve, gostei da sua resenha mesmo sabendo que foi uma relação de amor e ódio 🙂

    Beijinhos,
    http://www.entrechocolatesemusicas.com

  11. Oi Ana, você expressou muito bem a minha opinião sobre Meg Cabot, seja nos livros juvenis ou quando ela escreve com Patricia Cabot (Romances Históricos). A autora geralmente se utiliza dos clichês e também acho que ela não busca sair dessa zona de conforto, contudo a sua narrativa é leve e acaba nos conduzindo pela história de forma prazerosa. Assim como você também estou cansada de ver as histórias narradas pela visão de protagonistas que acabam focando em detalhes que ao meu ver não são importantes. Já li toda a série de O diário de Princesa e amei, contudo acho que se lesse hoje não gostaria tanto, quanto a Sorte ou Azar? não sinto vontade de conhecer.

  12. Olá Ana,
    pelo que li de sua resenha a historia é bem hilaria, pois como pode uma menina ser tão azarada assim. Alem do que você deixou um mistério para deixar o leitor um tanto eufórico, como o motivo dela ser assim. Ai eu me pergunto, “Meu pai, o que aconteceu para ela ser azarada deste jeito?” Pergunta que vai ser respondida somente quando ler. Agora sobre a vilã, acho que vou achar ela demais. rs. (Amo os vilões <3)

    Adorei a resenha!

    Beijos Ana Zuky
    SA Revista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s