Início » Livros » Resenhas :: Belo Desastre

Resenhas :: Belo Desastre

É bem provável que você já tenha ouvido falar em Belo Desastre e em seus personagens arrebatadores. Se você ainda não sabe o que pensar desse livro, confira a minha resenha e se sentir curiosidade de lê-lo, vem depois registrar a sua opinião.

Título: Belo Desastre

Autora: Jamie McGuire

Editora: Verus

Páginas: 389

Onde costumo comprar (Opções de livro impresso): Submarino/Saraiva/Siciliano

Sinopse: Abby Abernathy é uma boa garota. Ela não bebe nem fala palavrão, e tem a quantidade apropriada de cardigãs no guarda-roupa. Abby acredita que seu passado sombrio está bem distante, mas, quando se muda para uma nova cidade com America, sua melhor amiga, para cursar a faculdade, seu recomeço é rapidamente ameaçado pelo bad boy da universidade. Travis Maddox, com seu abdômen definido e seus braços tatuados, é exatamente o que Abby precisa – e deseja – evitar. Ele passa as noites ganhando dinheiro em um clube da luta e os dias seduzindo as garotas da faculdade. Intrigado com a resistência de Abby ao seu charme, Travis a atrai com uma aposta. Se ele perder, terá que ficar sem sexo por um mês. Se ela perder, deverá morar no apartamento dele pelo mesmo período. Qualquer que seja o resultado da aposta, Travis nem imagina que finalmente encontrou uma adversária à altura. E é então que eles se envolvem em uma relação intensa e conturbada, que pode acabar levando-os à loucura.
Abigail Abernathy, ou simplesmente Abby é uma típica jovem garota em plena vida universitária, aos 19 anos de idade. Evita qualquer tipo de problema, por mais que esses pareçam atraídos por ela, tem uma melhor amiga de infância, tão protetora quanto uma irmã, chamada America, uma colega de quarto, não tão agradável assim chamada Kara, e um outro melhor amigo, dessa vez tendo o conhecido na universidade, chamado Finch. Abby quer seguir com o rumo pré-determinado da sua vida, recomeçando-a após sair da cidade de Wichita, no Kansas, cursar a faculdade na Eastern, conhecer um cara legal, e ser feliz, como qualquer outra pessoa anseia. Mas, como bom ímã para problemas que a nossa protagonista é, ela se depara com o que tem repelido a todo custo nessa sua nova fase: Travis Maddox. Já ouviu falar em clube da luta? Em meio ao cenário habitual de fraternidades, times de futebol americano ou baseball dentro das universidades, temos um na Eastern. E a estrela admirada e temida do clube da luta clandestino da é exatamente Travis (cachorro louco) Maddox. Travis é um bad boy, com o seu corpo atlético, fama conquistada pela invencibilidade nas lutas, tatuagens espalhadas por todo o corpo e mulheres atirando-se aos seus pés. Menos uma.

Ele abriu aquele sorriso largo dele, divertido, meio infantil, e fiquei com mais raiva na esperança de disfarçar minha inquietação. Eu não sabia como as garotas se sentiam quando estavam perto dele, mas tinha visto como se comportavam. Eu estava vivenciando algo mais parecido com uma sensação de náusea e desorientação, em vez de paixonite mesclada com risadinhas tolas, e, quanto mais ele tentava me fazer sorrir, mais perturbada eu ficava.

Era improvável que o instável, impulsivo e temido Travis Maddox sentiria algo além de sua atração sexual habitual por mulheres em relação à Abby, mas de alguma forma, é exatamente o que acontece, talvez pela sua indiferença, pela sua recusa, ou pelo fato dela ser tão angelical aos olhos dele, que ele a apelida de “beija-flor“. Mas, a doce e certinha Abby, não é tão certinha assim. Pelo menos, não até ela virar 15 doses de tequila e se mostrar uma exímia jogadora de pôquer (se Abby está em Vegas, os apostadores que escondam suas carteiras). Apesar disso, ela não é o tipo de garota que goste que seu lado “negro” aflore e prefere deixá-lo incógnito, principalmente quando se quer deixar o passado de lado, e não é o que acontece quando Travis está por perto. Enquanto ele se deixa levar facilmente pelo que sente no momento, Abby é mais racional. Aparenta ser até mais durona do que realmente é, como uma muralha por fora, mas extremamente sensível por dentro, apesar de não ser algo que ela deixe transparecer. Ceder a Travis Maddox, apesar de suas qualidades físicas, era improvável, porém, ela permitiu-se ir um pouco além do limite imposto e tornou-se sua amiga, e é aí que conhecemos o outro lado da moeda: um Travis cuidadoso, dócil, atento, e apesar de manter a sua imprudência habitual, realmente se torna uma pessoa melhor ao lado de Abby, que insiste em manter uma amizade, mas também se sente bem ao lado da pessoa com quem jamais imaginou ter um relacionamento. Mas com uma nova perspectiva de Travis Maddox, o improvável acontece, e como não ceder?

bd

O foco de Belo Desastre é exatamente a relação louca de Travis e Abby, porém, dois personagens acabaram se destacando para mim, Finch e America. Em meio ao drama do casal protagonista, a leveza que esses personagens trazem a história é apenas, maravilhosa. Primeiramente, America é a típica amiga, defensora e sincera que qualquer pessoa gostaria de ter por perto (inclusive, quero uma America como melhor amiga). Tendo uma história ampla com Abby e sabendo das coisas as quais ela já havia passado, se torna quase uma presença materna quando se trata de lidar com os problemas da amiga, chegando ao extremo de terminar com o seu namorado, Shepley, por ele não apoiá-la quando o assunto é Travis e Abby, que estão em constante zona de divergência. Mas é compreensível que Shep esteja numa linha cruzada, já que é primo de Travis. America ao longo do livro se mostra mais do que uma amiga, e defende a nossa Abby com unhas e dentes, e também, nos diverte com suas opiniões mais que sinceras, nuas e cruas. Nota 10 para a America, e nem preciso falar o mesmo para o Finch. Ele conhece a Abby só na Eastern, mas se torna o outro inseparável, o braço esquerdo, já que a Mare é o braço direito da Abby, o amigo gay perfeito. Se tiveram cenas que me fizeram rir em Belo Desastre, essas cenas tinham Abby ou America, Finch ou Abby, ou os três juntos.

É perigoso precisar tanto assim de alguém. Você está tentando salvar o Travis, e ele espera que você consiga. Vocês dois são um desastre.

E falando em divergências, cada livro nos traz sensações divergentes e com Belo Desastre, não foi diferente. Muito pelo contrário, em um momento você ama Travis Maddox, em outro momento você o odeia. Ele é o típico homem que não sabia o que era amar até conhecer Abby Abernathy. A questão é que ambos, principalmente Travis, não sabem lidar com esse sentimento, amor. São inexperientes, comentem erros, o tempo inteiro, e mal conseguem entender-se, sempre vivem nos extremos. Enquanto Travis é inseguro e dependente, Abby é desconfiada e muito mais madura do que aparenta ser. Ela tem opiniões formadas, e apesar das dúvidas normais de qualquer pessoa da sua idade, eu apreciei a sua independência. O fato de Travis ser exatamente o que ela gostaria de evitar, e ele, não tendo os seus defeitos evaporados da noite para o dia, mas deixando-se levar pelas boas sensações que amar lhe traz, os torna humanos, inclusive, o ciúme exacerbado de Travis, que ao final, se explica na sua dependência e insegurança, sua falta de tato com o “gostar” de alguém, já que até então, as mulheres eram meros objetos para ele, sem maiores complicações. Belo Desastre é uma obra New Adult, a narrativa é em primeira pessoa e a narradora é Abby, então, a perspectiva dela é consequentemente dominante e os sentimentos se tornam ainda mais conflitantes. Amar, odiar, odiar, amar. E durante toda essa confusão, a verdade é que você mal percebe o tempo passando com o ritmo agradável que Jamie conseguiu dar a leitura e cabe a você, leitor, lidar com cada informação e digerir cada personagem de uma forma. Algumas pessoas não gostam e outras amam, eu? Eu amei, eu odiei, eu ri, eu fiquei estupefata, mas particularmente, Belo Desastre ganhou o seu espaço na minha estante com louvor e não me arrependo nem um pouco das 389 páginas recheadas de situações insanas.

Jamie McGuire  nasceu em Tulsa, Oklahoma. JamieMcGuire Ela passa os seus dias escrevendo e vive agora em Enid, Oklahoma, com seus três filhos e o seu marido Jeff. Seus livros publicados no Brasil são: Belo Desastre e Desastre Iminente, que é uma versão de Belo Desastre narrada pelo Travis. Porém, ela possui ainda outras publicações como a série Providence que conta com três livros lançados e Red Hill.

 

Anúncios

3 pensamentos sobre “Resenhas :: Belo Desastre

  1. Pingback: TAG :: Redes Sociais | Cantar em Verso

  2. Pingback: Trilha sonora literária | Cantar em verso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s