Início » Livros » Resenhas :: Divergente

Resenhas :: Divergente


Título: Divergente

Autora: Veronica Roth

Editora: Rocco

Páginas: 504

Onde costumo comprar (Opções de livro impresso): Submarino/Saraiva/Siciliano/Fnac

Sinopse: Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.
A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.
E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.
A história se passa em um futuro distante, na cidade de Chicago nos Estados Unidos. Nesse futuro distópico, a cidade é dividida por cinco facções (Amizade, Erudição, Franqueza, Abnegação, Audácia) e cada uma delas possui sua função para a sociedade. Nossa protagonista se chama Beatrice Prior, uma jovem de 16 anos nascida na Abnegação. Em breve ela passará pelo teste de aptidão anual, juntamente com o seu irmão, Caleb, a qual todos os jovens de 16 anos são submetidos para que sejam designados as suas facções de acordo com os resultados. Caso o resultado seja diferente daquela facção qual ele nasceu, existem duas opções: permanecer com a sua facção de origem ou deixar tudo para trás e seguir o lema “facção antes do sangue“.

Os que culpavam a agressividade formaram a Amizade. Os que culpavam a ignorância se tornaram a Erudição. Os que culpavam a duplicidade fundaram a Franqueza. Os que culpavam o egoísmo formaram a Abnegação. E os que culpavam a covardia formaram a Audácia.

Apesar de nascer na Abnegação, onde se abdica dos interesses pessoais em prol de ajudar ao próximo, Beatrice sempre possuiu opiniões divergentes em relação ao que realmente queria. Sempre curiosa, e até um pouco egoísta, por assim dizer, Beatrice sempre teve problemas para manter-se de acordo com o que propunha a sua facção, diferentemente do seu irmão, qual ela sempre julgou absolutamente altruísta e perfeito para viver entre os da Abnegação. E então, no teste de aptidão, isso finalmente se torna claro para Beatrice – o fato de ser diferente -, quando houve um problema. Tori, uma mulher da Audácia que aplicou a simulação, precisou apagar o resultado de Beatrice com a desculpa de que havia ocorrido um problema. E realmente, havia ocorrido um grande problema. Beatrice era uma divergente e Tori deixou bem claro que em hipótese alguma ela deveria revelar o resultado de seu teste, pois divergentes são tidos como incontroláveis, como perigosos. Beatrice precisa guardar esse segredo para manter-se, principalmente, viva. E escolher por entre as facções que mostrou aptidão, o que também vai definir o rumo da sua vida para sempre.

divergent1

Acredito nos atos simples de bravura, na coragem que leva uma pessoa a se levantar em defesa da outra.

A partir desse ponto se inicia a ação, e é impossível se estender mais sem acabar soltando alguma das muitas surpresas que estão espalhadas por todo o livro. Divergente é uma obra da qual podemos esperar tudo, o que consequentemente nos prende a leitura com eficácia. Ao contrário dos muitos comentários que vi por aí, não percebi quaisquer similaridades entre ele e Jogos Vorazes, além do gênero distópico, portanto, sem comparações, Beatrice e Katniss são personagens com histórias e motivações diferentes. Em relação aos personagens (o qual não pude revelar muito devido o fato de que cada um denuncia algo da história, e ninguém quer saber demais antes de ler o livro, não é mesmo?) eu gostei da Tris (Beatrice), pois é uma personagem corajosa e que sabe enfrentar os seus problemas, lutando sempre para manter-se a salvo, tendo que lidar com perdas e pessoas ruins, como o Eric. Descobre sua paixão por atos de bravura e o quanto possui em comum com todas as outras facções. Veronica Roth também se mostra eficiente em matar personagens, por isso novamente afirmo, as surpresas de Divergente são muitas, tantas que a leitura de um livro de 500 páginas flui tão rapidamente quanto inacreditavelmente. Enquanto lê, você se perguntará para qual facção pertenceria. Se você é uma pessoa estudiosa, sempre buscando por respostas, sua facção é a Erudição. Se você põe a verdade acima de tudo, não se permitindo mentir, você pertence à Franqueza. Pessoas bondosas que convivem melhor em meio à natureza, pertencem a Amizade. Se você é altruísta e abriria mão de você para os outros, Abnegação é sua facção. Destemidos, que não se importam em pular de trens em movimento ou de prédios, Audácia sem dúvidas é o seu lugar. Mas se você tem aptidão para mais de uma facção, sinto em lhe informar que você é um Divergente e guarde esse segredo para si mesmo, você não pode ser controlado como todos os outros cidadãos de Chicago.

Divergente é o primeiro livro de uma trilogia, Insurgente é o segundo livro da saga e em seguida temos o Allegiant, que ainda não foi lançado e ainda não possui título traduzido para o português. A trilogia será adaptada para os cinemas e em breve teremos mais informações sobre o filme, que tem Shailene Woodley interpretando Tris e Theo James interpretando Four. Agora basta aguardar, com o coração na mão, o último livro da trilogia e a adaptação chegar aos cinemas.

Veronica Roth  é uma autora muito jovem e por isso a sua biografia ainda é relativamente curta. Nasceu no dia 19 de Agosto de 1988 emde1843df86de4b6b3f49bbe831a9240c Chicago, que é a cidade onde se desenrola a história de Divergente.
Devido à sua paixão pela escrita, e também incentivada pela sua família, ingressou na Northwestern University para estudar Escrita Criativa, e foi aí que a trilogia Divergente se iniciou. Um dia enquanto ia para a Universidade estava ouvindo música e a imagem de alguém saltando de um prédio emergiu na sua mente, dando a ideia para a Audácia. É então que Veronica decide começar a trabalhar no primeiro esboço de Divergente, preferindo investir o seu tempo nesta história a fazer os trabalhos acadêmicos.
Anúncios

Um pensamento sobre “Resenhas :: Divergente

  1. Pingback: Trailer de “Divergente” | Clube da leitura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s